Tuesday, July 26, 2005

Relato - PSL Mulheres em Montreal

Durante o FISL 2005, em Porto Alegre, tive a oportunidade de conhecer as pessoas que integraram a caravana vinda do Canadá, em espcial a Lia Talbot, que inclusive já morou no Brasil e fala português muito bem. Conversamos muito sobre o Projeto Software Livre Mulheres, sobre o que estávamos fazendo ali, durante o FISL (O 2o Encontro Mulheres e Software Livre), e participei também de uma pesquisa que estava sendo feita sobre o Projeto Software Livre Brasil.

Conversando com ela, comentei que eu estaria no Canadá entre os dias 19 e 24 de julho em função do evento Ottawa Linux Symposium, que é um evento focado em Linux (sim, o kernel) conhecidamente técnico e de muito alto nível.

Então ela sugeriu que poderíamos marcar alguma atividade sobre o tema Mulheres e Software Livre em Montreal, no dia 24. Eu adorei a idéia, e logo em seguida recebi e-mails com press release, informações de lugar, tudo certinho para minha ida para lá.

Então, no dia 24 de julho participei de um evento chamado Femmes at Logiciels Libres - Mulheres e Software Livre em Montreal, do qual participei contando um pouco da minha experiência na comunidade, de pessoa técnica, mulher e com uma boa visão política do movimento. Tenho que admitir que enquanto algumas pessoas adoram bradar aos quatro ventos que odeia política, eu me orgulho de ter essa visão e poder debater temas que vão um pouco além de Debian versus Slackware.

Contei a respeito do começo do meu envolvimento, como surgiu o PSL Mulheres, as reuniões solitárias Fernanda e Loimar em Porto Alegre nos poucos dias que eu tinha para ficar por lá, já que naquela época eu morava em Porto Alegre.

Também sobre os projetos nos quais participamos, o site da Marcha Mundial, o Telecentro Feminista, o Encontro de Mulheres no FISL, e agora o Plano de Inclusão Digital para a SPM e também o 10o Encontro Feminista, do qual provavelment faremos o website para publicação de notícias e fotos.

Fui também questionada sobre vários assuntos, como a criação de grupos femininos na comunidade, criação de guetos, grupos locais versus grandes grupos internacionais. Minha opinião a respeito:

Acho que um grupo feminino que exista na comunidade, para não se transformar num gueto precisa ter um papel muito bem definido, e não pode repetir um espaço que já existe pelo simples fato de querer criar um mundo da Barbie, onde as mulheres ficarão entocadas, e separadas do resto da comunidade Software Livre para sempre. Os grupos femininos tem que trabalhar de acordo com políticas afirmativas de inclusão, com objetivos claros e ações bem definidas, o que é o caso do Debian Women por exemplo.

O fato do Debian Women existir não vai fazer com que as mulheres nunca mais tenham que conviver os homens que são 99,5% dos participantes do projeto, mas sim fazer com que pessoas mais dispostas a ajudar, ensinem o caminho das pedras para que o segundo passo não seja mais um problema porque as mulheres possuirão informação suficiente sobre o projeto e o trabalho que fazem para que ele seja feito com o resto do grupo, ou apesar dele. Depois que você já conhece os procedimentos, regras e atividades do Debian, a integração com o resto fica mais facilitada porque você sente mais segurança.

Sobre a criação de grupos regionais versus grupos internacionais, eu acredito que grupos articulados internacionalmente, principalmente com objetivos globais como o PSL Mulheres, refletiriam uma visão global dos problemas, o que resultaria em propostas mais eficientes e independentes de contextos locais. Estas propostas poderiam sim ser adaptadas às realidades locais, mas o trabalho feito pelo coletivo seria muito menor.

Me surpreendi ao final de tudo na sessão de perguntas, quando Lia me perguntou o que eu achava a respeito da criação de um coletivo como o PSL Mulheres em Montreal. Eu simplesmente AMEI a idéia.

Então várias outras coisas pintaram na minha mente, como a criação de uma lista em francês ou inglês, e reuniões mensais via irc que seriam em inglês, onde tod@s possam participar e trocar experiências sobre as atividades dos grupos em cada localidade, e também discutir os projetos que não são regionalizados.

Durante o OLS, depois da sessão do Debian Women, eu conheci uma mulher chamada Orna (eu acho) que também se mostrou muito interessada em participar das discussões.

Assim que meu computador voltar a funcionar, eu coloco no ar fotos do evento, e também o áudio da minha sessão.

Sunday, July 17, 2005

Women and Free Software Meeting in Montreal

I had the opportunity to meet some people from Montreal last FISL, and then I told them I would be going to Ottawa this month. Well, they organized a Women and Free Software Day in Montreal, next 24th. I really liked the press release, in which they say being planning to start a PSL Mulheres like group in Montreal.

That would be really, really great!

*Women and Free Software*

On Sunday July 24th 2005, Fernanda Weiden will be of passage in Montreal to open a meeting on the topic of "Women and Free Software". The event will be organized by FACIL, pour l'appropriation collective de l'informatique libre, the Koumbit network, the Laboratoire de Communication Médiatisée par Ordinateur (LabCMO) and Communautique.

The coming of Fernanda Weiden, activist within the Free Software community in Brazil since 2002, has inspired the topic of this conference. Involved in organizing the first women and free software meeting of Brazil in 2003, she has since founded "Projeto Software Livre-Mulheres", a project having the objective to work along organizations of women in order to debate their needs and their participation in the domain of information and communication technologies (ICT) and particularly of free software. Her contribution falls under a process of social integration in the field of free software in Brazil. Her participation in the Debian project (GNU/Linux distribution) and in the "Free Software Foundation of Latin America" will open the meeting on her experience in Latin America.

This event is actually the first step of a medium term objective to create a "Women and Free Software" collective in Montreal. This will be an occasion to gather the people of Quebec interested to participate in its creation. During the presentation, the participants will have the opportunity to determine the stakes of free software through these topics: women and the development of free software, women and the access to training for ICT, social and digital integration, participative uses (network citizens and solidarity) and appropriation models of free software, concerns of the social environment and paradigms of local development. The presentation will be followed by a roundtable where our guests invested in different domains (development, education and IT in Quebec) will share their experience. There will also be a discussion and presentation of books and documents about free software.

The "Women and Free Software" day will be held on Sunday July 24th 2005, between 12h and 16h. The meeting will take place at the Café Utopik, 552 Sainte-Catherine East near Berri-UQAM metro. For more information, please visit the website of the event:

http://femmes.informatiquelibre.info

This event will be also the occasion to discuss the workshops and presentations for the SQIL, Semaine Québécoise de l'Informatique Libre, which will be held between November 12th and 20th 2005:

http://sqil.info

Lia Talbot: 514-948-6644 #227 - lia@communautique.qc.ca;Valérie Dagrain: 450-646-7522 - vdagrain@free.fr

Back to Sao Paulo...

Finally I'm back home after 25 days in Germany. No words to say how cool was my trip.

I would like to thanks all the FSFE people for being so cool with me during LinuxTag. I really hope that FSFLA will have a really united team as you have. Well, we are working for it...

Also, my time in Hamburg was really, really great. The Hamburg's channels were really great, 200Km/h in the Autobanh by motorcycle also cool.

I really enjoyed each of all the minutes I spent there.

Europe is just like we see in movies here. Everything is so organized that made me feel looking to a picture, or watching a movie. And clean! Well...excluding the ice cream guy caring the waffer without protection in the hands and caring the money with the same hand (bleh!).

Besides, here in Brazil...Ministers being changed, Paulista Ave completly destroyed after a football game last week (and the team won the competition), workers party having their directors changed. I don't need to talk about traffic jam and polution, do I?

I really hope to have the opportunity to move to Recife, Salvador or any other city where the sea would make me forget about the problems around :)

Now, time to organize the stuff to get the flight to Ottawa tomorrow. Next adventure: Ottawa Linux Symposium.

Friday, July 15, 2005

Relato da Viagem -- Uma brasileira perdida no velho mundo por 25 dias

Pois é galerinha, depois de tanto tempo sem postar, estou de volta a terra brasilis e agora sim mando meu relato da viagem.

Depois do evento em Karlsruhe, tomei rumo para o lab da IBM em Boeblingen. Boeblingem fica exatamente no meio do lugar nenhum. Lugar perfeito para um lab, já que tudo que as pessoas vão fazer é trabalhar :)

Mas não posso dizer que eu achei alguma das cidades (poucas, em realidade) que visitei eram feitas. Elas eram todas limpinhas, organizadas e com arquiteturas bem diferentes das cidades brasileiras.

Hamburgo é uma cidade linda, tem mais pontes do que Veneza, Londres e mais uma cidade JUNTAS! Impressionante! O mais legal é ver como os Hambugers (como se chama quem é de Hamburgo?!?!?!?) ou Cheeseburgers ou batata fritas realmente aproveitam a cidade.

Os canais são lindíssimos!!! Você pode alugar uma canoa e sair passeando por eles, remando, remando...é super romântico. E no final do dia, como todo bom geek você ainda pode conversar com seu(ua) namorado(a) sobre como o mundo é melhor depois que inventaram o motor à combustível para barcos :)

Passamos umas 4 horas passeando pelos canais, tirando fotos, tudo lindo!

Outra coisa marcante: 200Km/h em cima de uma motocicleta. É verdade!!! Mas o melhor de tudo é que ao contrário do que você deve estar pensando agora, ninguém ultrapassou o limite de velocidade, porque ele não existe. Então se você morrer em um acidente, ninguém vai achar que você é um louco irresponsável fora-da-lei. Vão pensar que você gosta de aventura.

Quem me conhece de mais tempo sabe que eu A D O R O motos!

Restaurante indiano, coreano, comida japonesa, alemã (for sure)....acho que voltei uns 4 quilinhos mais gorda. Mas quem se importa com isso né? Ao contrário de muita gente eu posso comer a vontade, e to sempre com o mesmo corpinho de sempre...se é bom ou ruim é outro papo. Mas ser constante já é alguma coisa :)

Agora estou de volta a São Paulo, depois de 25 dias viajando com a sensação de "tava tão bom dormindo, tem mesmo que acordar?"...

Vendo o Jornal Nacional soube do que os São Paulinos fizeram na Avenida Paulista...."Welcome to Sao Paulo"!

Fotos em: http://people.softwarelivre.org/~fernanda/fotos/hamburgo/

Ok, mudei a cara do site...

Hoje é um dia bom pra postar um monte no site. Finalmente tirei a foto da República das Bananas da capa do meu site, porque a diretiva das patentes de software foi rejeitada na Europa. O que me deixa feliz, e preocupada. Porque o Escritório de Patentes Europeu anda emitindo patentes de Software, a revelia da decisão da Convenção de 1973, que dizia que software não era patenteável na Europa.

Então temos um problema a ser resolvido ainda, já que dizer que as patentes de Software não existem seria boa coisa somente se esse querido escritório de patentes estivesse agindo de acordo com o planejado...

Enfim, mas acho que pelo menos aumenta o tempo para bolarmos a grande resistência.

Segue release da FSF Europe sobre o caso, traduzido por mim.

*********************************************************

FSFE:Europa diz não as patentes de software

Após anos de trabalho, o Parlamento Europeu finalmente rejeitou a diretiva de patentes de software com 648 de 680 votos: Um sinal forte contra a lógica das patentes de software, um sinal de perda de fé na União Européia e a necessidade clara de mudança na política do Escritório de Patentes Europeu (EPO): o EPO deve parar de emitir patentes de software hoje.

"Esta decisão não afeta as patentes de invenções de alta tecnologia", explica Stefano Maffulli, representante italiano da FSFE: "Invenções tecnológicas sempre foram patenteáveis, e mesmo que a diretiva tivesse sido aprovada com todas as emendas, da mesma forma continuariam patenteáveis. É importante destacar isso porque os proponentes da lógica das patentes de software tentaram confundir as pessoas sobre invenções de alta tecnologia como meta desta diretiva."

Georg Greve, presidente da FSFE adiciona: "O parlamente entendeu isso quando escreveu a primeira ementa durante a primeira leitura da diretiva, deixando invenções de alta tecnologia dentro e software fora do sistema de patentes."

"Infelizmente, o conselho da União Européia ignorou esta decisão do parlamento e removeu estas emendas. Muitos membros do parlamento europeu desanimaram perante esta óbvia corrupção no processo democrático naquela época, e parece que perderam a esperança em ver as emendas serem tratadas com mais respeito desta vez."

"A rejeição da diretiva seria o último recurso para o envio de um claro e forte sinal contra as patentes de software na Europa, " e Greve continua. "A Free Software Foundation Europe concorda com o Parlamento Europeu em sua decisão: como forma de defender os interesses harmonicamente nós preferiríamos a aprovação da diretiva com as adições da primeira leitura, mas nós entendemos que a rejeição vem como única opção real para evitar danos irreparáveis na economia Européia."

Jonas Öberg, vice-presidente da FSFE: "Isto reafirma a Convenção Européia de Patentes de 1973, que exclui a patenteabilidade do software. O Escritório de Patentes Europeu tem ignorado o tratado desta concenção e concedeu cerca de 30.000 patentes de software nos últimos anos: isto deve parar hoje! O EPO não deve ter poder de ignorar estas políticas Européias!"

Georg Greve explica a proposta da FSFE: "Muitos problemas foram causados pela inabilidade da União Européia em lidar com o Escritório de Patentes Europeu que tem agido a revelia das políticas acordadas na Europa, o EPO não é responsável pelas decisões que vem tomando. Nós propomos que se estabeleça um instrumento de supervisão do EPO que gerencie o escritótio e seja responsabilizado pelas decisões do EPO, e previna este tipo de degradação no sistema de patentes."