Tuesday, November 14, 2006

Férias com papai nas Zoropas

Ontem meu pai chegou de férias aqui em casa. Nas próximas duas semanas estaremos andando pela Suíça e Alemanha de carro e de trem, conhecendo alguma coisa do meu novo velho mundo. Hoje caminhamos em Zurique até as pernas doerem, e amanhã tem mais. Estamos colocando fotinhos da viagem todos os dias aqui: http://people.softwarelivre.org/~fernanda/fabio/.

Sunday, October 29, 2006

As folhas realmente caem

Este é o meu primeiro outono na Europa. Os dias começam a ficar mais curtos, e ontem, o horário de inverno começou (ou o de verão terminou, mas não importa).

Uma das coisas mais impressionantes que eu percebi aqui com relação as estações do ano, é que elas são quase que magicamente separadas por um switch, que troca de uma pra outra. No Brasil, principalmente nos últimos anos, se tornou um desafio saber qual a estação do ano que estamos atravessando: 30 graus no inverno, 15 no verão, chuva na hora errada. Enfim, o país tropical não é o melhor lugar do mundo para observar a mágica da adaptação da natureza ao clima em que ela se encontra.

Aqui na Suíça, tudo acontece como mágica. Após meses de inverno, tudo ainda estava congelado. De um dia para o outro, o sol apareceu, o gelo derreteu, e quase como se libertando do inverno, do meio do gelo brotaram flores lindas. Os jardins Suíços são conhecidos pelas cores e flores que enfeitam e colorem, e realmente te dá uma sensação maravilhosa depois do branco do inverno se despedir.

Agora estamos no final de outubro, e é a vez do outono. Mas a mágica é a mesma. De um dia para o outro, a noite começou a chegar mais cedo. As temperaturas ainda são altas, em torno de 15 graus. As vezes, durante o dia, chega a 20. E também assim de uma hora pra outra, as folhas das árvores começaram a ficar amarelas, laranjas e agora estão caindo.

Daqui a pouco chega o branco mágico da neve. Mas por enquanto, as folhas ainda caem...

Wednesday, October 25, 2006

O império contra-ataca

Há meses atrás, chegou a mim um email dizendo de uma tal pesquisa que mostrava que patentes de software não eram más, que elas não mudavam em nada o mercado de TI, e que os visionários do Software Livre pintavam o monstro um pouco maior do que ele era. Eu respondi o tal email em tom de brincadeira, com uma coisa profética meio "espere e verás". Bom, eis que o momento chegou :)

A Reuters publicou um artigo sobre o processo aberto pela IBM contra a Amazon por violação de patentes no site de comércio eletrônico.

Segure-se na cadeira, aí vão as patentes violadas: fazer pedidos usando catálogos eletrônicos, mostrando anúncios em um ambiente interativo, e armazenando dados numa rede interativa.

Basicamente todos os websites que mostram anúncios violam as patentes da IBM. Também, todas as empresas que tem comércio eletrônico e todo mundo que usa rede pra armazenar dados, seja lá o que isso significa :)

Wednesday, October 18, 2006

Welcome back

Eu visitei o Museu do Computador. É fascinante. Diversas máquinas do arco da velha, coisas que infelizmente eu não tive a oportunidade de ver e experimentar, já que eu sou da era Pentium.

Desde calculadoras antiquíssimas, passando por separadoras de cartões perfurados e máquinas que realmente te fazem sentir pilotando uma astronave do seriado Star Trek. Fascinante. O tamanho das CPUs de máquinas dos anos 70 e 80, se comparado as maquinas que temos hoje, parecem super clusters poderosíssimos. Mas elas tem poder de processamento menor que nossos computadores disfarçados de telefones celulares.

Não consigo parar de montar figuras "antes e depois" com o que eu vi no Museu.

Agora estou quase de volta em casa. Fico na Irlanda até domingo, depois, de volta a Suíça. Bom estar de volta ao meu timezone :)

Friday, October 13, 2006

Um membro colorido da comunidade Software Livre

Foi assim que Ted Tso falou sobre Hans Reiser durante o mini curso de recuperação de desastres em discos rígidos no Linux Kongress. Bom, não é que essa semana o pessoal me manda essa notícia... o cara foi preso por suspeita de assassinato. Sua esposa desapareceu no dia 3 de Setembro e foi vista pela última vez deixando os filhos na casa do marido. Depois disso, ela desapareceu.

Sinistro não?

Friday, October 6, 2006

De volta ao Vale do Silício

Born to be wildDepois de um ano que estive no pedaço mais nerd dos EUA, cá estou eu de volta, desta vez por 15 dias. Não tenho dados concretos, mas acredito ser o local com maior concentração de nerds por quilômetro quadrado do mundo.

Tirando a chatisse que se tornou viajar aos EUA por causa da paranóia delirante dos aeroportos, acho que a Califórnia é um dos lugares mais legais para visitar.

O escritório também e cheio de artefatos nerds, e nerds, claro.

O primeiro ponto turístico nerd, Frys Electronics já foi visitado. O Frys Electronics é como um supermercado gigante só de eletrônicos e coisas relacionadas. É um parquinho de diversão. Os preços aqui são muito mais baixos que no Brasil, mas não tão mais baixos que na Suíça. Porque computadores e coisas eletrônicas são TÃO mais caras no Brasil????

Este final de semana tem apresentação dos Blue Angels em São Francisco, como parte da "Fleet Week Celebration". Também pretendo atravessar a Golden Gate Bridge de bicicleta...eu bem que preferia a motinho...

Semana que vem, Museu de História da Computação :)

Thursday, September 21, 2006

Projeto de Lei contra a privacidade de usuários de email é retirado!

Há um tempo atrás, escrevi o post Era só o que faltava...lei contra anonimato na troca de e-mail, sobre a proposição de lei (PL 6827/2006) do Deputado Jefferson Alves de Campos, do PTB/SP, que pretendia acabar com a privacidade dos usuários de emails no Brasil.

Explicação da Ementa: Proíbe o anonimato do usuário de serviço de correio eletrônico, devendo os provedores manter registro de todas as mensagens eletrônicas enviadas (e-mail).

Me cadastrei no site da Câmara (em asp, que vergonha) pedindo para receber as informações sobre o andamento deste processo, e comecei a trocar emails com o Deputado (eu seja lá quem responde os emails dele), explicando o porque aquele projeto de lei seria uma derrota para a privacidade. Também seria uma derrota para a legislação brasileira, já que a Câmara é famosa por projetos absurdos de lei, que como este, que são na prática impossíveis de se aplicar.

Hoje, me surpreendi com um e-mail do sistema da Câmara, me avisando de mudanças no processo. Entrei no site da Câmara (em asp, que vergonha), e vi que o Deputado enviou em 17 de agosto de 2006, o pedido de retirada do Projeto de Lei!

Mais informações: http://www.camara.gov.br/sileg/prop_detalhe.asp?id=318885.

Saturday, August 26, 2006

As duas não páram quietas...

Depois da minha experiência de "uma brasileira perdida sozinha em Zurich", vivida no começo deste ano. Loimar Vianna, que começou comigo o Projeto Software Livre Mulheres passou pelo mesmo nas suas aventuras como "uma brasileira perdida sozinha em Dublin". Então, de bate papo via jabber estes dias, decidimos fazer alguma coisa pra ajudar os outros, pra variar.

Estamos montando um site de informações para brasileiros sobre como se virar na Irlanda e na Suíça, onde encontrar as coisas, falamr de como os sistemas funcionam, fazer fofocas do tipo "os bancos da Irlanda não aprenderam a usar internet ainda", entre outras coisas.

O nome do site? Cantinho Brasileiro.

Vamos ver no que dá...

Sunday, August 20, 2006

Housewarming party!

Depois de 5 meses morando neste apartamento, ontem finalmente conseguimos realizar nossa festinha. Tentei trazer para Erlenbach um pedacinho do Brasil, por uma noite.

Depois que eu encontrei um mercadinho brasileiro em Zurich, foi fácil decidir o cardápio: Feijoada!

A janta: 1,5 Kg de feijão, 1 Kg de bacon, 4 Kg de carne de porco, 0,5 Kg de carne seca, 0,5 Kg de linguiça, 2 Kg de couve, 1 Kg de farofa, 48 latinhas de Guaraná, 3,5 l de cachaça, 17 limões, 1 caixas de pé de moleque, 1 caixa de paçoquinha, 6 laranjas.

E como consequência disso: em torno de 17 pessoas bêbadas e satisfeitas :)

Ganhamos muitas bebidas, copos e um vasinho de flores. Eu até me senti no Brasil por uma noite :)


Tuesday, August 15, 2006

O Coracão de Weiden

Meu amigo Aurélio Heckert me mandou há um tempo atrás um email com este subject, que continha versões da minha tattoo sem o resto de mim. Só a tattoo. Então remexendo os emails antigos, encontrei esta imagem que agora é o logo do meu site. E meu. Obrigada Aurrélio!!!

Monday, August 14, 2006

Publicações

Aqui é o espaço para algumas das minhas publicações: artigos que eu escrevo para guiar minhas palestras, artigos para websites, colunas da PC Master.




Google Code Jam 2006

Para aqueles que se dizem os melhores programadores do universo. Show us the code! Google Code Jam 2006 abre as incrições hoje!

Saturday, August 12, 2006

Saturday, August 5, 2006

Churrascos voltam a ser legais na Suíça

Se você conseguir fazer fogo, é claro.

Na semana passada, por motivo de segurança, o governo proibiu as pessoas de fazerem churrasco com carvão. Choveu somente 30% do que deveria ter chovido no mês de julho e eu acho que os politicamente corretos estavam se sentindo contribuidores para o aquecimento global por causa do churrasco ou eles têm sérias dúvidas quanto a capacidade dos suíços em lidar com fogo. Duvidar da capacidade de fazer e controlar o fogo da minha churrasqueira é quase uma ofensa pessoal a uma gaúcha!

Somente pessoas que possuíssem churrasqueiras à gás poderiam fazer churrasco. Se é que dá pra chamar aquilo de churrasco. As churrasqueiras à gás são como os fogões do Brasil, mas como aqui os fogões são elétricos e, apesar do nome, não fazem fogo de verdade, então qualquer coisa que faça fogo aqui é churrasqueira.

Enquanto no Brasil churrasco bom é aquele que a carne está começando a ficar com cara de cozida e o sangue ainda escorre depois que você tira do fogo, aqui, churrasco é quando tudo fica com cara de carvão. E, apesar de eu nunca ter comido carvão, suspeito que o gosto também seja de carvão.

Enfim, o churrasco está legalizado, mas só esqueceram de avisar São Pedro sobre isso. Não pára de chover desde que o churrasco voltou a ser legal na Suíça.

Tuesday, August 1, 2006

Era só o que faltava...lei contra anonimato na troca de e-mail

O deputado Pastor Jefferson Campos (PTB-SP) encaminhou o Projeto de Lei 6827/06 que agora está sendo analizado pela câmara dos deputados. Segundo a proposta de lei, todos os provedores de serviço de e-mail deverão manter dados como endereço, CPF e número de indentidade de todos os usuários cadastrados.

Não consigo deixar de imaginar aquele bando de usuário de Windows da Câmara, que não sabe nem o que significa protocolo, discutindo como regular a internet...

Há um tempo atrás, quando eu li o tal projeto, enviei um e-mail ao deputado questionando, e tentando explicar que o modo descentralizado e completamente globalizado no qual a internet funciona, faria com que essa lei fosse na prática quase sem efeito. Imagina se eu coloco meu servidor de e-mails no ar, o super seriedetubos.com.br e começo a distribuir contas email para meus amigos. Como o governo fiscalizaria a minha ação?

Como pedir que uma empresa no México tenha CPF de todos os usuários cadastrados? Como uma empresa brasileira vai ter o CPF de um estrangeiro no seu cadastro, já que somente brasileiros têm CPF? Estariam as empresas brasileiras então proibidas de prestar serviços de e-mail a estrangeiros, já que estes não podem fornecer os dados exigidos pela lei?

Cada vez mais me questiono o que estas criaturas estão fazendo na Câmara dos Deputados....talvez tentando competir com o Senado estadosunidense pra ver quem é mais irracional, já que lá na terra do Tio Sam agora querem colocar pedágio nos roteadores, afirmando que a internet é uma série de tubos, e por isso, o dono de cada tubo pode cobrar por sua utilização...

Tuesday, July 25, 2006

Eu moro na praia...congelante!!!

Nossa, agora a temperatura aqui está em torno de 34 graus. É super úmido, então o calor é realmente insuportável. Quem diria depois de ver aquela neve toda??? A parte boa é que eu moro perto do lago Zurich, que fica há uns 300 metros da minha casa...a parte ruim é que a temperatura da água não é igual a de Recife, mas o povo aqui jura que tá quentinha.

Então domingo passado, depois de muita resistência, eu entrei no lago gelado...e agora eu to indo quase todos os dias mergulhar no lago e ver o pôr do sol. To me sentindo em Porto Alegre ;)

Friday, July 21, 2006

Beyond Copyright -- the Lookright

After I get involved with the Free Software community, I started also to get interested on Copyright concept, laws, access to knowledge, among other things. The most visible effect to all that is: now I pay more attention to the very small letters in the back side of the DVD and CD cases, and also to the "patented" sign in some of the most stupid things ever: like the container where we throw away the glass.

I love music, therefore music is very present in my life. I download a lot of musics from the internet, I share music with my friends, and yes, I buy CDs, and now that I am living in Europe and there is nothing in Portuguese going on on the TV, I buy tons of music DVDs when I go to Brasil.

The last ones were Maria Rita - Segundo, which is a case with a music CD (not protected my DRM) and a DVD with the "making of" of the music CD production.

In the back side of the DVD case usually there are those very small letters saying things like: "Warning: the DVD is protected by law and authorized for home use only. Any unauthorized copying, hiring, lending, distribution, exporting, importing, dissemination, exhibition or public performance is prohibited by law."

I have to say that I think this is completly non-sense, but well, it is the "law" or the way the companies wants to control their rights over the content.

And when we think our "friends" from the music industry reached their limits, they go beyond: the Maria Rita's CD I bought comes with a short, althought more restrictive note in the back side of the case: "WARNING: All rights reserved. The partial or integral reproduction of this DVD is expressly prohibited. The infringers are subjected to penalties provisioned by law"

This means, simply and clearly: I cannot play my own DVD! It would be funny, if it wasn't tragic.

Ladies and gentlemans, let me introduce to you Lookright, by Warner.

Eu quero assistir meu DVD da Maria Rita!

Recebi hoje meus novos DVDs (Adriana Calcanhoto e Ana Carolina e Seu Jorge) e um CD da Maria Rita, Segundo. Eu resolvi comprar a versão que vem com o making of do CD.

Depois que comecei a me interessar mais por coisas do mundo legalês que cerca o Software Livre e o acesso a informação e cultura de uma maneira geral, eu passei a prestar mais atenção naquelas letras minúsculas, que quase ninguém lê, que falam tudo que você não pode fazer com o que você acabou de comprar.

Por exemplo, usualmente os DVDs vêem com uma notinha no pé da parte da contra-capa em letra tamanho 5: "Não é permitida a reprodução pública e locação desautorizadas".

Mas a Warner deu um passo além. Na contra-capa do box, do qual fazem parte CD de música e o DVD, estão os dizeres: "AVISO: Direitos Autorais reservados. A reprodução parcial ou integral do conteúdo deste DVD é expressamente proibida. Os infratores estão sujeitos às penalidades previstas em lei."

Em bom português: eu não posso assistir o DVD que eu comprei!!!!

Tuesday, July 11, 2006

1 milhão de euros para criar uma base de conhecimento sobre Software Livre e Open Standards

Acabo de retornar de Amsterdã, onde participei do lançamento do projeto chamado SELF - Science, Education and Learning on Freedom. Este projeto, do qual participo desde sua criação, tinha uma ambiciosa intenção - ser aprovado como um projeto financiado pela União Européia para viabilizar a criação de um banco de conhecimento sobre Software Livre.

Este material acumulado poderá ser então um facilitador para aqueles que procuram por material educacional sobre Software Livre.

Os parceiros deste consórcio estão trabalhando há aproximadamente 1 ano na tentativa de preencher todos os requisitos da União Européia para ser aprovado, e também para ser um projeto consistente, de modo a vencer as outras centenas de propostas apresentadas a UE todos os anos.

Agora é investir o dinheiro contratando pessoas que farão nossas idéias loucas saírem do papel e virarem realidade :)

Mais informações sobre isso em: http://selfproject.eu

Monday, July 3, 2006

Fim do freedb.org???

Para quem não sabe, o freedb.org é um banco de dados de informações sobre CDs. Aquele que faz o seu xmms saber qual é o CD que você colocou pra tocar no seu micro. Acontece parece que eles vão parar de funcionar.

O freedb.org nasceu com o objetivo de retirar o monopólio dos bancos de dados de informações sobre CD do CDDB, que estava começando a impor condições a seu uso pelos desenvolvedores. Além disso, muitas pessoas ficaram indignadas com o comportamento dos caras porque pessoas contribuíam com o servidor deles, enviando informações sobre CDs, que mais tarde se tornaram proprietárias (no começo era GPL). Em 2001, o freedb.org nasceu como uma alternativa ao CDDB, colocando todo seu conteúdo sob GPL.

Eu li sobre isso hoje, mandei um e-mail pros caras oferecendo minha ajuda, e o responsável pelo domínio respondeu prontamente, dizendo que existem conversas sobre como fazer o freedb.org não parar de funcionar. Vamos aguardar...

Acesse o site freedb.org para mais informações



Defective by Design

O que é DRM?
DRM restringe o que você pode fazer com os seus artefatos eletrônicos e mídia que você compra. É uma tentativa da indústria de hardware, software e mídia como Apple de forçar autoridade e controlar o que você faz em sua vida privada, na sua casa com a mídia que você comprou legalmente.

As grandes empresas de mídia (conteúdo) chamam isso de "Gestão Digital de DIREITOS", na esperança que você não perceba todas as novas restrições impostas. Já que o que eles gerenciam é o direito deles de restringir o seu comportamento, um melhor nome seria "Gestão de RESTRIÇÕES Digitais".


Tuesday, June 27, 2006

Copa do mundo para os nerds...

Para aqueles que não podem ficar longe de computador nem em dia de jogo do Brasil: http://www.ascii-wm.net/

Apresentação

Fernanda Giroleti Weiden, natural de Porto Alegre, Brasil. Atualmente, vivo em Zurique, na Suíça.

Comecei a me envolver com tecnologia em 1996, quando conquistei o meu primeiro computador. Depois de algum tempo, conheci diversas pessoas que naquela época já usavam GNU/Linux, e depois de pouco tempo, comecei a usar Slackware, em meados de 1998.

Em 2001, fiz do hobby profissão: depois de 1 ano em São Paulo trabalhando como free lance, comecei a trabalhar para a Embralog, uma empresa que prestava serviços à VarigLog, e fui responsável pela implementação de servidores GNU/Linux que faziam a replicação do banco de dados das cargas enviadas. Naquele tempo, Sun Cobalts eram os servidores, Java a linguagem de programação, e email a forma de transmitir a informação. Confesso que aprendi muito durante aquele tempo, e ainda sou muito grata a pessoas que colaboraram para que isso acontecesse, dentre elas, Agnaldo Castellani, que foi meu gerente na época.

Em dezembro 2002, comecei a trabalhar para a Samurai Computadores, num projeto de criação de computadores populares, uma distribuição GNU/Linux para clientes magros. Após dois anos trabalhando estritamente com o lado servidor de sistemas, na Samurai tive a oportunidade de aprender um pouco sobre necessidades de usuário, e como atendê-las (o que é o mais importante).

Em meados de 2003, fundei juntamente com a Loimar Vianna o Projeto Software Livre Mulheres, com a intenção de incentivar mulheres a se interessarem pelas discussões em torno do Software Livre, e prestar suporte a essas mulheres e suas organizações quando o assunto fosse tecnologia, fazendo com que elas entendessem a importância do Software Livre. Desde então, todos os anos nós organizamos junto ao Fórum Internacional Software Livre, o Encontro Mulheres e Software Livre, onde procuramos convidar mulheres da comunidade e de fora dela a iniciarem um debate sobre questões de gênero ligadas a tecnologia. Este evento, somado ao suporte que a organização do FISL sempre deu às mulheres da comunidade, têm ajudado a mudar a cara da comunidade Software Livre no Brasil, incluindo cada vez mais mulheres na comunidade.

Depois de 1 ano na Samurai Computadores, decidi mudar um pouco a minha rotina, e mudar de volta para Porto Alegre em dezembro de 2003, me dedicando mais a comunidade Software Livre. Passei 8 meses trabalhando como voluntária para a Associação SoftwareLivre.org, organizando o Fórum Internacional Software Livre que aconteceria em 2004, em especial a organização do lançamento do projeto Creative Commons no Brasil.

Durante o evento, soube da intenção da IBM em me contratar para me juntar o time do Linux Technology Center, em São Paulo, para onde me mudei novamente em julho de 2004. Fiquei trabalhando na IBM durante 1 ano e 3 meses, basicamente suportando clientes e também conversando com muitos clientes IBM que tinham a intenção de migrar para GNU/Linux.

Em dezembro de 2004 comecei a trabalhar na criação da Fundação Software Livre America Latina, juntamente com um time de pessoas da Argentina, Uruguai e Brasil, com suporte e apoio de Richard Stallman e Georg Greve, presidentes da FSF e FSF Europa respectivamente.

Desde meados de 2005 escrevo mensalmente (ou quase isso) para a Revista PC Master sobre Software Livre.

Em outubro de 2005, quando ainda estava na IBM, recebi uma oferta para trabalhar no Google, na Suíça, onde estou até hoje trabalhando como Administradora de Sistemas.

Monday, June 26, 2006

GPLv3 em Barcelona

Depois de organizar a 2a. Conferência Internacional sobre a GPLV3, que aconteceu no Brasil e eu não assisti nenhum sessão, porque como sempre, quem trabalha não se diverte, na última quinta e sexta-feira participei da 3a. Conferência Internacional sobre a GPLv3, desta vez como palestrante.

Eu assisti a palestra do Stallman e como sempre, ele deu show. Tirou todas as minhas dúvidas com relação ao processo de licença, e falou das mudanças que estão sendo feitas, uma por uma, detalhadamente. Então eu decidi escrever umas linhas para que as pessoas ficassem sabendo do que está sendo feito, e talvez entendam um pouco melhor o motivo por trás das mudanças propostas.

1) Tivoizacão: mecanismos como o existente no produto Tivo, que permite que o usuário grave diversos canais de TV de uma só vez para assistir depois, mas não permite que você assista fora do Tivo. O Tivo inclui diversos softwares GPL, e como a licença diz, você poderia modificar para remover a disfunção de não permitir que você somente assistisse os programas que você gravou usando o Tivo. Mas você não pode porque o Tivo inclui mecanismos de verificação do binário que faz com que ele não rode binários modificados, que na prática, faz com que a liberdade de modificar o Software Livre para que ele se adapte suas necessidades não se realize na prática.

2) DRM, ou como Stallman define: a funcionalidade de se recusar a funcionar. A GPLv3 não tornará DRM impossível, mas fará com que as pessoas que decidam a implementar forneçam o código fonte para que as pessoas tenham a opção de não se sujeitar a esta recusa de função. A liberdade número zero diz que você tem a liberdade de usar o software para qualquer finalidade. Mas você não pode usar esta liberdade para restringir ela dos outros usuários.

3) Patentes de Software: patentes de software criam monopólios de idéias. Quando um método de como gerar arquivos texto usando um programa de computador é patenteado, e você sem nem saber que esta patente existe escreve um programa que use aquele método, você está violando a patente e por isso pode ser processado por alguém que você jamais viu ou conheceu. A diferença entre violação de Copyright e de patente é que o Copyright holder só poderia processar a pessoa que cometeu a violação da licelicença, mas não todos os usuários. A legislação das patentes permite que o detentor do monopólio processe todos os usuários "ilegais" do método, ou seja, todos os usuários do software. A GPLv3 trata isso, na mesma forma que outras licenças de Software Livre já tratavam no passado, a pessoa que distribui o software é responsável pelas licenças de patentes que podem estar sendo implementadas no software em questão, isto é, se viola patente, o problema é de quem implementou, e não de quem está usando, e protege os usuários da ameaça das patentes.

4) Compatibilidade com outras licenças - algumas licenças permitem que o software seja relicenciado sob outras licenças A GPLv3 vai explicar melhor este processo e trabalhar com um FAQ onde estaria uma lista de licenças compatíveis.

5) GPLv3 será modular. Ela permitirá que você inclua algumas cláusulas adicionais, que por algum motivos foram deixadas de fora da licença Você pode escolher, por exemplo, que seu código, quando rodando em servidores de acesso público, deve ser oferecido aos seus usuários, mas você não é obrigado a fazer isso. Se eu entendi direito o que o Stallman falou, quem gera versões alteradas do software pode escolher retirar as permissões adicionais, e o Oliva me falou que restrições adicionais, como essa dos webservers não poderia ser retirada.

6) LGPL será a GPL com um anexo, seguindo o que eu expliquei no ponto 5.

7) Terminar a licença - Quando alguém violava a GPLv2, a licença era automaticamente terminada. Isso gera um problema prático gigante para pessoas que não sabiam que estavam violando, e querem consertar o erro, porque elas têm que pedir autorização explícita para todos os detentores de direito daquele software, que, em alguns casos pode ser centenas ou milhares. A GPLv3 vai tratar isso da seguinte forma: o desenvolvedor que perceber a violação vai notificar o violador de que ele (ou ela) tem 60 dias para corrigir o erro, caso contrário a licença é terminada. O prazo começa a contar do momento da notificação, e somente terminam a licença os desenvolvedores que tiverem oficialmente dado o prazo de 60 dias para consertar o problema.

8) Não é um contrato - este título será modificado no segundo draft, segundo Eben Moglen.

9) Publicação de chaves - Stallman esclareceu que não é necessária a publicação de chaves privadas, somente daquelas que são necessárias para que o software seja alterado pelo usuário. A intenção não é inviabilizar GnuPG e outras tecnologias deste tipo, e sim de garantir que a pessoa que queira alterar o software tenha todos os componentes necessários para isso.

O painel do qual eu participei, que é sobre divulgação e adoção gerou bastante interação: falamos sobre o caso kernel, sobre como ajudar o processo, como é importante que as idéias sejam todas incluídas no sistema de comentários da FSF, e como a GPL vai continuar sendo um instrumento de proteção da liberdade, não de restrição

Isto tudo, juntamente com reuniões, reuniões e reuniões, foram um pouco do que rolou em Barcelona. Parabéns ao time da FSFE que organizou o evento, e à comunidade, que está usando a metodologia de desenvolvimento de Software Livre para desenvolver a próxima versão de um dos documentos mais importantes da nossa comunidade, a GNU General Public License.

Tuesday, June 20, 2006

Free as in "Mark Shuttleworth"??!?!?!?!?!?!

During FISL, David "Novalis" Turner and Georg Greve showed me that I was completly wrong about Ubuntu and that it indeed contains proprietary software.

 Well, i checked whether I had the package they found in the CD, and since I was not using that package, I thought I was free (as in freedom).

 After that, I started to pay more attention to the Ubuntu Policies, what that restricted session means, etc.

 Today, when I received my really nice and new computer, I decided to try again Ubuntu, and then, after the installation completes, I removed the packages that has this description:

 Non-free Linux 2.6.15 modules on PPro/Celeron/PII/PIII/PIV

and

Restricted Linux modules on PPro/Celeron/PII/PIII/PIV

 Guess what???

 Bingo! The dependencies of those packages removed also the kernel. Who needs a kernel, after all?

So, I am not wondering whether there is an easy way to install Ubuntu without the proprietary package, or if the lies in the CD are not only about incuding non-free software, but also about not having even the option to delete them!!!

I am feeling free as in Mark Shuttleworth...whatever it means....

Monday, June 12, 2006

Você se lembra da minha voz?

Continua a mesma...mas os meus cabelos...

Enfim, acabo de terminar a configuracão das minhas contas de VoIP no Brasil. Então se você falava comigo, mas agora não fala mais, e tá morrendo de saudade de mim, você pode me ligar.

Descobri que a Vono nao gosta de pessoas que moram na Suica. Comeco a suspeitar quem anda trabalhando pra Vono ;)

Mas enfim, nada que um servidor na Suécia não resolva. Depois de descobrir que o problema com a Vono era que eles, na verdade, não existiam na minha internet (problema de rotas do lado deles), estou usando um outro asterisk pra conectar no asterisk aqui de casa e fazer a mágica.

Vono, contrate sysadmins. Porque os seus não sabem como fazer um roteador funcionar direito.

Vono, habilite speex, porque ninguém merece usar codec proprietário.

Ainda bem que eu tenho um linkzinho de 6Mb e posso usar um codec que compacta menos a voz, e isso não é tão sofrível.

Como boa pauliúcha, o melhor dos mundos: telefones em Porto Alegre e São Paulo disponíveis.

Nada como ser nerd e chique!

Wednesday, May 31, 2006

League of Professional Systems Administrators

Recebi um e-mail falando sobre a tal de LOPSA - Liga de Administradores de Sistema Profissionais, com objetivo de melhorar práticas de administracão de sistemas. Uma idéia interessante, a exemplo do IEEE, que é o Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos. Enfim, vale a pena dar uma olhada.

Acho que todo o tipo de organizacão que propõe juntar pessoas com o mesmo interesse para aperfeicoar o trabalho e alcance é válido, mas uma coisa mandatória seria má.

Enfim, é de ler e pensar...

http://www.lopsa.org

Thursday, May 25, 2006

Metade

Que a morte de tudo que eu acredito não me tape os ouvidos e a boca. Porque metade de mim é o que eu grito, mas a outra metade é o silêncio.

Monday, April 10, 2006

Como o que acontece na Suíça influencia a vida no Brasil

Como algumas pessoas já sabem, no começo deste ano me mudei para Zurique, na Suíça. Com isso, por questões óbvias, me senti um pouco distanciada das discussões que acontecem no Brasil. Mas me dei também por conta que muita coisa que acontece por aqui influencia a vida de todo mundo por aí.

Aqui na Suíça, mais exatamente em Genebra, é onde fica a sede da Organização das Nações Unidas (ONU)[0], e dentre as várias organizações da ONU, uma delas que está diretamente relacionada ao que tange direitos digitais: a Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI)[1].

A OMPI nasceu em 1967 com a intenção de incentivar a atividade criativa e promover a proteção da propriedade intelectual no mundo. No papel parece lindo, que bom se fosse assim na vida real.

Na prática, a OMPI que trata questões que vão muito além de promoção da criatividade, mas também criação de regulamentações internacionais que facilitam (pra não dizer incentivam) a criação e manutenção de monopólios do conhecimento.

Em outubro de 2004, a OMPI deu um passo histórico quando decidiu começar a considerar o impacto das suas decisões nos países em desenvolvimento, inclusive o impacto da política e legislação de propriedade intelectual na inovação tecnológica (patentes, copyright, broadcasting), acesso ao conhecimento e saúde (lembram das patentes dos medicamentos? isso também é assunto deste fórum).

Deste então, Brasil e Argentina propuseram uma Agenda do Desenvolvimento[2], amplamente apoiada por indivíduos e organizações não governamentais. Mas o problema com a OMPI é mais profundo. O problema da OMPI é que ela foi criada antes do mundo se conectar via rede, e antes do compartilhamento do conhecimento funcionar de maneira tão instantânea como hoje em dia. Os conceitos nos quais a OMPI está embasada estão velhos, e por isso muitos deles não se aplicam mais no mundo online que já viu resultados muito positivos do quão longe o compartilhamento do conhecimento e código pode chegar através da Internet.

A Free Software Foundation Europa (FSFE)[3] escreveu um documento assinado em conjunto por algumas dezenas de organizações e indivíduos no qual se defende que as perguntas endereçadas a OMPI hoje não são as mesmas que eram em 1967, e que novas perguntas merecem novas respostas. Somente uma organização criada no contexto atual, com bases na realidade atual pode ter respostas para nossas perguntas de hoje, e com isso sugere a criação de uma Organização Mundial de Riqueza Intelectual[4].

Mas é claro que isso foi só um manifesto, e a OMPI continua discutindo problemas de hoje e respondendo com as respostas de 1967. Agora, o assunto do momento é direito de distribuição. O nome formal em inglês é Broadcasting Treaty[5]. Já não bastava o Copyright fazer aniversário junto com o Mickey, agora a OMPI está considerando uma extensão do Copyright, que seria o direito ao monopólio de distribuição. Depois de finalmente uma obra virar domínio público, empresas ou indivíduos que distribuírem este conteúdo em qualquer meio (tv, rádio, internet) teriam mais 50 anos de monopólio de distribuição desta obra.

O Software Livre[6] também seria afetado caso este tratado entre em vigor. Software também vira domínio público. Os Estados Unidos (que surpresa!) conseguiu incluir Internet como meio de distribuição também, o que transforma todos os websites em distribuidores de conteúdo. Seu Software Livre então viraria domínio público em 20 anos, e depois disso, alguém ganha o monopólio de distribuição do seu software, e pode legalmente proibir as pessoas de copiarem e distribuirem seu Software. O mesmo vale, obviamente, para o seu vídeo Creative Commons[7].

Apesar do mundo nerd ser muito mais divertido que as Nações Unidas, a Free Software Foundation Europa tem trabalhado acompanhando as discussões da OMPI já há alguns anos, para que a comunidade Software Livre esteja atenta a essas questões e para mobilizar nossa comunidade a brigar pra que o nosso direito de usar, estudar, modificar e distribuir software seja preservado.

Karsten Gerloff e Georg Greve, da FSFE, participam dessas reuniões da OMPI e mantêm em seus blogs[8] informações atualizadas do que está acontecendo neste fórum.

[0] http://www.un.int
[1] http://www.wipo.int
[2] http://www.wipo.org/documents/en/document/govbody/wo_gb_ga/pdf/wo_ga_31_11.pdf
[3] http://www.fsfeurope.org
[4] http://www.fsfeurope.org/documents/wiwo.pt.html
[5] http://www.wipo.int/meetings/en/doc_details.jsp?doc_id=44069
[6] http://www.fsfla.org/?q=node/17
[7] http://www.creativecommons.org.br
[8] http://www.fsfe.org

Thursday, March 23, 2006

Help the largest Latin American Free Software Conference

On the next april, FISL will take place for the 7th time in Porto Alegre/RS Brasil. FISL has consolidated itself as the biggest and most important Free Software event in Latin America, one of the coolest event in the world, as said by Georg Greve and other people who have been to most of Free Software conferences around the world.

 It is an event that shows how to practice social responsability in its local community: every year FISL uses part of the subscription fee value to buy not perishable foods and donate it to local groups that fight against hunger in Brazil. Last year, FISL's organisers donated more than 11,5 tons of food and 3 tons of seeds that could be used to plant and produce 3000 tons of food.

 Besides the solidarity numbers, FISL had more than 4.5 thousand atendees. 13,54% are women. A number that will hopefully increase, but even being small, is better than the number of other conferences I have attended. Last year more than 12000 different connections were received on the streaming servers, and there were 12 primary replicators.

 This will be the second year that FISL will transmit all its sessions by internet, using the Free Software TV, but there are limitations of bandwidth that may make it difficult to happen, or very limited. All the transmission is made using Free (as in freedom) encoders for audio and video, and there is no need for disk space: only bandwidth.

 So, if you or your organisation have good internet bandwidth available, please contact me (nanda at fsfe dot org) and let me put you in contact with the organisers in order to make this event available to as much people as we can.

Thursday, February 23, 2006

Canção do lobo

Você me disse que eu sou petulante, né?
acho que sou sim, viu?
como a água que desce a cachoeira
e não pergunta se pode passar
você me disse que meu olho é duro como faca
acho que é sim, viu?
como é duro o tronco da mangueira
onde você precisa encostar
você me disse que eu destruo sempre
a sua mais romântica ilusão
e destruo sempre com minha palavra
o que me incomodou
acho que é sim
como fere e faz barulho o bicho que se machucou
como fere e faz barulho o bicho que se machucou

Sunday, February 19, 2006

De casa nova...

No último sábado, alugamos nosso apartamento. Um lugar lindo, pertinho do lago, pertinho de Zürich. Agora eu tenho um endereço. Em uma rua que eu, aliás, mal consigo pronunciar o nome...Wiesenstrasse. A cidade é mais facil: Erlenbach.

Não consigo explicar o tanto que me sinto feliz por esses momentos que estou vivendo agora.

Meu trabalho está muito legal, tenho aprendido muita coisa, e meus colegas são maravilhosos. Temos uma equipe amiga, unida. Dá gosto ir para o escritório pela manhã, e confesso que as vezes nem vejo o tempo passar :)

Semana passada resolvemos deixar o escritório com cara de As mil e uma noites. http://people.softwarelivre.org/~fernanda/fotos/google/

Nao tá lindo? :-D

O clima...frio? Será? Acho que eu nem noto mais a diferença. Aprendi que roupa feita no Brasil é pra ser usada no clima do Brasil, e que se eu não quiser me sentir vivendo no inferno gelado, tenho que renovar meu guarda-roupa de inverno. Ainda bem que fazer compras nunca foi um problema pra mim :)

Bom, missão da próxima semana: sobreviver sem meu mentor por 5 dias úteis. Depois disso, vou passar o final de semana em Brussels, na Bélgica, para assistir ao FOSDEM.

Prometo que voltarei a blogar...

Monday, February 13, 2006

Eu to tentando

Eu tou tentando largar o cigarro
Eu tou tentando remar meu barco
Eu to tentando armar um barraco
Eu to tentando não cair no buraco

Eu to tentando tirar o atraso
Eu to tentando te dar um abraço
Eu to penando pra driblar o fracasso
Eu to brigando pra enfrentar o cagaço

Eu to tentando ser brasileiro
Eu to tentando saber o q é isso
Eu to tentando ficar com deus
Eu to tentando que ele fique comigo

Eu to fincando meus pés no chão
Eu to tentando ganhar um milhão
Eu to tentando ter mais culhão
Eu to treinando pra ser campeão

Eu to tentando ser feliz
Eu to tentando te fazer feliz

Eu to tentando entrar em forma
Eu to tentando enganar a morte
Eu to tentando ser atuante
Eu to tentando ser boa amante

Eu to tentando criar meu filho
Eu to tentando fazer meu filme
Eu to chutando pra marcar um gol
Eu to vivendo de rock'n roll

Thursday, February 9, 2006

Casa nova

Nossa, fazia tempo que eu tava querendo atualizar o CMS do meu site. Obrigada spectra por ter ouvido minhas preces!!!

Tuesday, January 31, 2006

Yes! We have bananas!

Actually are not bananas exactly, but I am writing today to announce the new FSFLA's website, I just thought the bananas would be more attractive. :)

If you're curious, try to access: http://www.fsfla.org -- I hope our DNS is already propagated to yours.

Thanks FSFE for providing the vserver, and Jonas, who was really patient with me :)


 

Friday, January 20, 2006

A linha e o linho

É a sua vida que eu quero bordar
na minha
Como se eu fosse o pano e você fosse
a linha
E a agulha do real nas mãos
da fantasia
Fosse bordando ponto a ponto
nosso dia-a-di..a
E fosse aparecendo aos poucos
nosso amor
Os nossos sentimentos loucos,
nosso amor
O zig-zag do tormento, as cores
da alegria
A curva generosa
da compreensão
Formando a pétala da rosa
da paixão
A sua vida o meu caminho,
nosso amor
Você a linha e eu o linho,
nosso amor
Nossa colcha de cama,
nossa toalha de mesa
Reproduzidos no bordado
A casa, a estrada, a correnteza
O sol, a ave,
a árvore,
o ninho da beleza...

Wednesday, January 11, 2006

German things...

I fortgot to blog about it few days ago, but the morning's experience I had today made me remind this subject :)

Here in Hamburg, the metro (subway, s-bahn, u-bahn, whatever) really works. It is irritatingly in time, and all the station have plates with a minutes countdown. There's no ticket control to get in the train, but if you "forget" to pay and someone ask you for the ticket, then you would pay much more.

It's incredible, eveybody buy tickets!!! Including me :-D

I imagine this kind of system in the Sao Paulo's metro, for instance....heheheh

But sometimes the train delays. That already happened with me twice, I guess. The reason: people jump in front of the train trying to kill themselves.

I thought it was a joke, but a couple of days ago I was in the metro coming to the FSFE's office and when the train supposed to go straight to stop in the station, it got another rail and stopped in other place. Georg said "it is strange, the train always stops in the other side". Well, when we were walking in the station, he saw the ambulance, few police people and said: "ah, someone jumped in front of the train, again". With a weird naturalitty in his voice!!! I got stalled, and asked "WHAT????!!!" How could people decide to kill themselves jumping in front of the trains?? And worst: How can the others think that it is normal???

If you have been in Brazil, and saw an accident on the transit, for instance, you noticed lots of people standing around willing to see whether the person is bleeding, or lost a leg, or died. Here it doesn't happen!!! Nobody stops to ask whether the criature is still alive or not!

Well, this morning I was again in the train, coming to the FSFE's office again. The sound system start to announce something different, then I asked Georg: what happened? (Since I cannot -- yet -- understand german). And his answer: "Someone jumped in front of the train".

Minutes later, more messages in the sound system. I asked again: "What happened now? One more?" And he: "No, they are just telling that they took of the corpse and the traffic is back to normal."

And one more normal working day begins...

It doesn't sound weird???

Coisas da Alemanha

Eu tinha me esquecido de blogar há umas semanas, mas a experiência desta manhã me fez relembrar desses assuntos :)

Aqui em Hamburgo, o metro realmente funciona. É irritantemente pontual, e tem uma plaquinha que fica fazendo contagem regressiva de minutos em todas as estações. Não tem catraca pra entrar, então se você "esquecer" de comprar o bilhete, e alguém pedir pra você mostrar, você paga multa de 60 EUR.

Incrível, todo mundo compra o bilhete!!! Até eu :-D

Fico imaginando como seria um metro desses em São Paulo, por exemplo...hehehehe

Mas as vezes os trens atrasam. Isso já aconteceu comigo duas vezes depois que cheguei. Motivo: as pessoas se atiram na frente dos trens para tentar se matar. É mole?

Eu pensei que fosse brincadeira. Um dia estávamos eu e Georg indo para algum lugar, nem lembro onde, e o metro pegou um trilho alternativo para parar na estação. O Georg comentou comigo "estranho, sempre para do outro lado". Aí quando descemos, ele viu ambulância, algumas pessoas da polícia e falou: "ah, alguém se atirou na frente do trem, denovo". Com uma naturalidade incrível! Eu fiquei pasma! Como pode alguém resolver que vai se matar e se atirar na frente do trem? Pior: Como podem as outras pessoas acharem que isso é normal???

Sabe aquele burburinho de gente olhando, querendo saber se teve sangue, perdeu perna ou morreu que sempre acontece em acidente no Brasil? Aqui não acontece!!! Ninguém pára pra perguntar se o infeliz sobreviveu ou não.

Bom, hoje eu estava no trem, vindo para o escritório, e começaram a falar sem parar no sistema de som. Eu perguntei pro Georg: o que houve? (já que eu não entendo NADA de alemão, ainda, infelizmente) E ele: Alguém se atirou na frente do trem.

Minutos depois, mais mensagens. Eu pergunto denovo: O que houve? Mais um? E ele: Não, só estão avisando que retiraram o corpo e o tráfego está normalizado.

E mais um dia normal de trabalho começa....

Não parece esquisito????

Monday, January 9, 2006

Eu tenho um visto!!!!

Caralho! Depois de meses esperando, saiu meu visto de trabalho e moradia na Suíça :)

Zurich, aqui vou eu!!!!!

Tuesday, January 3, 2006

Shitting on voting machines

The brazilian voting system is already internationally known for being 100% eletronic and insecure, for sure. Since the elections in 1996 they start to implement a system, completly proprietary, to do electronic voting in which we dont't have, for instance, the right of recounting the votes, because there's no printed version of our votes. It' s completly automated! Besides, You cannot even know if you really had participated in an anonymous voting because they type your elector number just before go to the machine and type your vote. It' s really easy to know who votes to who.

The government in Brazil managed to do it in a way that all the people are really proud of being the country where the voting process is 100% eletronic. Wow! Even knowning that people still die hunger in the poorest regions in Brazil....clap clap clap! Milions of reais spent in an eletronic-proprietary-insecure-antidemocratic systems.

Now they are giving us the favor of improving the idea: they are opening a licitation to buy more voting machines and adapt the old ones (around 400 thousand) with a new feature: fingerprint scanner devices. They would collect the initial fingerprints in the next elections, and then in the voting after that, we'd not need to bring our "titulo de eleitor" (elector ID) to get recognized by the super new system.

In a discussion mailing list in Brazil, one guy questioned how it would be if the system for any reason cannot recognize the person by the fingerprint. Another guy gave a suggestion that I think was just fantastic: in case of not being able to recognize someone, they would ask this person to shit in a super shit identifier machine connected to the system! You know, just as a contingency ;)

I cannot avoid on imagine big lines of people going to the government in order to have their figerprints collected and then passing in a toillet to drop the "contingency".