Tuesday, March 17, 2009

My same

You said I'm stubborn
And I never give in
I think you're stubborn
'Cept you're always softening
You say I'm selfish
I agree with you on that
I think you're giving out
In way too much in fact
I say we've only known
Each other one year

You say I've known
You longer my dear
You like to be so close
I like to be alone
I like to sit on chairs
And you prefer the floor
Walking with each other
Think we'll never
Match at all
But we do (4x)

I thought I knew myself
Somehow you know me more
I've never known this
Never before
You're the first
To make out
Whenever we are two
I don't know who I'd be
If I didn't know you
You're so provocative
I'm so conservative
You're so adventurous
I'm so very cautious
Combining
You think
We would and we do
But we do (3x)

Favouritism
Ain't my thing
But in this situation
I'll be glad

Favouritism
Ain't my thing
But in this situation
I'll be glad
To make an exception

Sunday, March 8, 2009

8 de março

Uma menina, de 9 anos de idade, vinha sido abusada sexualmente pelo seu padrasto. A mãe da menina acabou descobrindo, quando percebeu que sua filha, de 9 anos de idade, estava grávida. A mulher então levou a filha a polícia e ao hospital para que fossem feitos exames necessários. Ainda foi descoberto que o padrasto também estuprava a outra enteada.

A menina, que pesava 37 quilos, poderia morrer se levasse a gravidez adiante. Ela estava gerando duas crianças. No Brasil, aborto somente é permitido por lei em dois casos: risco de morte, ou estupro. Neste caso eram os dois. Em qualquer outro caso, ridiculamente, a mulher pode ser indiciada por "crime de aborto".

Acertadamente, o médico iniciou com remédios para que o processo de aborto começasse. Assim que o aborto aconteceu, o Sr. d. José Cardoso Sobrinho excomungou a mãe da criança, e toda a equipe médica envolvida na decisão e execução do aborto. E foi falar com a mídia, e fez alvoroço sobre a animosidade do ato.

Me envergonha dizer que o alvoroço não era contra o estupro e abuso continuados ao qual a menina vinha sendo submetida. Mas por causa do aborto.

O estuprador é filho de "Deus". Comemorar o que mesmo?

Saturday, March 7, 2009

Como encontrar a loja certa?

Alguns posts atrás falei sobre a minha dificuldade em encontrar sapatos para o meu tamanho (36 BRA, 38 EUR) aqui no Japão. Porém comecei a perceber que eu sou a única pessoa que tem esse problema.

Quando eu olho para os pés das japonesas, elas todas parecem estar usando sapatos maiores que os pés! Sério. Eu acho que tenho que mandar elas pra minha loja, e pedir o endereço da loja onde elas compraram os delas :)

A teoria do Herman é que o pé delas é tão pequeno que, mesmo sendo enorme para o tamanho delas, ainda é pequeno demais para o meu tamanho.

Wednesday, March 4, 2009

Férias no Japão

Tirei 3 dias de férias enquanto estou aqui em Tokio, e fomos viajar em direção a Shikoku, a quarta (creio que em tamanho) das ilhas Japonesas. Foram somente 3 dias, mas deu pra ver bastante coisa.

A primeira parada foi Hiroshima. Ficamos num hotel bem legal que tinha uma vista maravilhosa de um castelo e do Museu de Artes de Hiroshima da nossa janela. A cama era impressionantemente desconfortável, e me rendeu pesadelos a noite toda. Mas enfim, a cidade pareceu bem interessante.

O castelo foi interessante, apesar de não termos entrado (mais por falta de tempo do que de vontade), e depois fomos ver o local onde explodiu a bomba, o A-Bomb Dome. O agora chamado A-Bomb Dome foi o antigo City Hall, e a placa ao lado conta que todas as pessoas que estavam no prédio morreram, porém algumas das paredes ficaram intactas porque o epicentro da bomba foi em cima do local. As fotos da cidade publicada próximas ao monumento são impressionantes de uma forma obviamente triste.

Infelizmente, a cada par de anos eles revisam todos os restos do prédio para verificar as estruturas e tudo, e justamente agora que eu fui lá estava tudo coberto com andaimes de construção. Ao lado tem um parque cheio de monumentos também, o Memorial da Paz. Estranhamente, o sentimento não é pesado naquele parque, como eu esperei que fosse. Pela cidade, você encontra árvores com placas dizendo "A bombed tree willow - X metros do epicentro", e "A-Bombed stone from previous city hall".

Depois de Hiroshima, estive em Matsuyama. Gostei da cidade. Me apaixonei por um restaurante espanhol, chamado Rica Rica. É certamente meu restaurante preferido no Japão. Se um dia eu desaparecer do mapa, sem deixar rastros, talvez eu esteja lá comendo as deliciosas tapas, que nada tinham de espanholas, mas eram deliciosas! O local é super pequeno, porém charmoso. Toca música boa. Tem 3 mesas :)

No primeiro dia que fomos ao Rica Rica, Herman queria comer massa. Ele pediu uma sugestão para o cara, que é o dono do restaurante, e trabalha lá sozinho. O cara perguntou o que ele queria comer, que tipo de pasta, se ele tinha alergias ou coisas que não gostava, e voltou com uma massa bem diferente, estilo japonês, que estava muito boa. 

Depois de vários drinks, eu queria fumar um cigarro. O Herman perguntou pro dono do restaurante, que prontamente me trouxe seu próprio pacote de Marlboro Lights, e deixou junto com um esqueiro em cima da mesa. Bêbada, eu tomei mais umas cervejas, fumei 2 dos cigarros dele, e voltei pro hotel falando besteiras :)

No dia seguinte, lá fomos nós denovo. Assim que entramos, o dono do restaurante nos cumprimentou, nos sentamos na mesma mesa do dia anterior (não que houvesse muitas opções de qualquer modo). Pedimos duas taças de vinho, e lá veio o cara, com sua carteira de Marlboro Light, e para minha tentação, deixou-a em cima da mesa denovo. Achei fofo ele lembrar e querer me agradar, então usei a desculpa de não desapontar ele para fumar meus 2 cigarros da noite. (Não, eu não voltei a fumar, foram só aqueles 2 dias de bebedeira)

Tomamos um vinho francês muito bom, e comemos umas tapas. Caso um dia você passe pelo Rica Rica, peça o tártaro de salmão defumado com abacate. É uma delícia! 

Em Matsuyama também encontrei uma loja com uma seleção muito boa de piercings, onde comprei a bolinha que tinha caído de um dos meus. :)

Bom, além da comida, em Matsuyama visitamos uns parques, e um castelo que fica no topo de uma montanha, que você enxerga da cidade toda. Nós caminhamos até lá em cima! Quase impossível de acreditar, não? :)

No dia seguinte ao vinho e as tapas, pegamos o trem para Oboke, onde passamos nossa última noite de férias num hotel chamado Iya Onsen Hotel. O lugar é maravilhoso!

O nosso quarto era meio estilo japonês, meio ocidental. O banheiro era na sacada, onde tínhamos uma banheira, o chuveiro, e uma segunda banheira para os pés. A visa eram as montanhas e um lago muito azul. Talvez seja muito verde, mas certamente muito lindo. 

Na manhã seguinte, quando acordamos, a surpresa: estava nevando! A paisagem verdinha, azulzinha e ensolarada tinha se transformado em branquinha, mas continuava linda. Infelizmente, game over pra gente, pegamos o trem as 11 da manhã para voltar pra Tokyo. The show must go on :)

Claaaaro que tem fotos.